Alzheimer

Saiba mais sobre os sintomas, tratamento e cuidados da doença.

Dicas para as horas de alucinações ou delírios

idososss

Conforme o acompanhamento as famílias com pessoas acometidas pela Doença de Alzheimer, é possível perceber que as situações em que o ente querido apresenta alucinações e delírios causam grande aflição e estresse ao cuidador. Por isso, há necessidade de apresentar o que são esses episódios e algumas dicas para essas horas.

Alucinações:

Caracterizam-se como alterações na percepção sensorial, que apresentam eventos ou objetos que não são presentes na realidade, podendo ser auditivos no caso de pessoas que ouvem coisas ou vozes de pessoas que não estão no momento, ou visuais, quando veem coisas que não existem. Ex: quando o idoso insiste em dizer que tem algum animal na parede, sem ter.

Delírios:
Caracterizam-se como crenças que se contrapõe a realidade, interpretações irreais, os delírios de perseguição, que são os mais comuns as pessoas com a Doença de Alzheimer, são a falsa crença de que outras pessoas estão conspirando ou perseguindo a pessoa delirante. Ex: Desconfiança do idoso com o cuidador, afirmando que o familiar está enganando).

Algumas dicas para esses momentos:

– Não discuta com o idoso, os questionamentos fazem com que se sinta confuso e pode causar ainda mais alterações no comportamento, como agressividade e medo.
– Procure perceber se há algo no ambiente que desencadeia esses episódios de alucinação, como uma planta que faz sombra, ou o vento batendo na cortina, assim pode evitar as próximas situações.
– Conforte o idoso, mantenha a voz calma e descreva o ambiente como lugar tranquilo, para que ele se sinta seguro, vendo que o perigo já passou.
– Tente distraí-lo, voltando a atenção do idoso para outras atividades que ele se interesse e outros assuntos.
– Em alguns casos, participe do delírio, ao entrar na história procure não aumentá-la, sempre, cautelosamente, procure fazer referências de acordo com o que está na realidade.
– Explique o que está acontecendo, no caso dos delírios, mostrando que ninguém quer lhe fazer mal, apresente fatos de forma elucidativa, sem confrontar o idoso.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *